Tecnologia vestível

Olá pessoal, tudo bem?

Venho hoje anunciar o primeiro colaborador do blog, o Lucas! Ele também é fissurado por tecnologia e vai escrever sobre vários assuntos aqui no blog. O post de estreia dele fala sobre as tecnologias vestíveis. Não deixe de conferir e seja bem vindo, Lucas!

Imagem

 

   Acabamos de dar um fim em mais um ano e pode-se dizer que 2014 será muito diferente de 2013. Um ano de muito movimento e mudanças. No ano passado, a tecnologia “Vestível” vem se tornando cada vez mais popular e pretende ser a grande tendência para os próximos anos, como vimos na CES 2014, uma das maiores feiras de tecnologia do planeta.

  Os computadores vestíveis, conhecidos no inglês como ‘WEARABLES’, são uma classe de equipamentos que toma a forma de roupas e outros acessórios, que se misturam com as peças do seu armário. São as tecnologias móveis em miniatura, embutidas em óculos, relógios, acessórios c/ sensores, pulseiras e tênis inteligentes. Talvez dispositivos vestíveis se tornem meros sensores e monitores que enviam e recebem informações de smartphone. Esse é o conceito oferecido no momento por muitos especialistas em mobilidade.

Seria essa o inicio de uma guerra contra os smartphones?

A galera do GigaOM criou um inforgráfico de um Homo Erectus Connectus, cheio de dispositivos portáteis que estão disponíveis atualmente no mercado. Confira:

http://gigaom.com/2013/03/13/meet-homo-erectus-connectus-or-if-you-prefer-wearable-man-infographic/#watches

 

Texto de @LucasRTech

 

 

iPhone completa sete anos

 Imagem

”iPhone. A Apple reinventa o telefone”

Vocês já pararam para pensar em como eram nossos celulares antes de 2007? Pesados, com teclados de plástico e com sistemas operacionais lentos e nada práticos. A coisa mudou de rumo no dia 9 de janeiro de 2007, quando Steve Jobs apresentou ao mundo sua nova invenção: o iPhone. O aparelho foi revolucionário. Ao invés de usar teclados e telas pequenas, tudo foi substituído por uma grande tela sensível ao toque, que seria manipulada pelos dedos. A Apresentação, como todas da Apple, foi icônica. Abaixo do meu post, você pode conferir o momento de êxtase da plateia ao descobrir que ali seria apresentado um telefone da Apple.  Antes de chegar ao mercado, muitos foram categóricos ao afirmarem que o iPhone não faria tanto sucesso e que ele continha algumas falhas, se comparado a outros celulares. A partir do final de 2007, começaram a surgir os primeiros rivais do iPhone. O Prada Phone by LG foi um deles. A empresa havia afirmado na época que eles é que haviam sido pioneiros no uso de telas de toque em celulares, mas a Apple implementou um sistema tão inteligente e rápido que a LG ficou quieta. Imagem

”Diga olá ao iPhone”

Quando chegou ao mercado, ele foi um sucesso. Apesar disso, era caro. Custava $599 e o usuário precisava assinar, obrigatoriamente, um contrato de dois anos com a AT&T, maior operadora dos Estados Unidos. Além disso, havia outro problema: o iPhone não poderia ser usado em qualquer outro país. A partir daí, surgiu o Jailbreak, método para desbloquear o celular da Apple. No mesmo ano, a Apple resolveu os problemas: baixou o preço para $399 e anunciou a disponibilidade do aparelho para outros países. Mas o iPhone conquistou o mundo mesmo foi em 2008, com o lançamento do iPhone 3G. A segunda geração do aparelho trazia um design novo e uma novidade do sistema operacional: agora a Apple permitiria que desenvolvedores criassem aplicativos para o aparelho, através da lojinha ”App Store. *Você imagina sua vida hoje sem aplicativos, como WhatsApp, Instagram, Twitter e Facebook? Pois é, agradeça, em partes, a Apple. Junto com a apresentação do aparelho, Steve Jobs anunciou que o iPhone estaria dispinível em mais de 70 países até o fim daquele ano, o que incluía o Brasil. O iPhone acabou se consolidando como o queridinho dos celulares e as rivais começaram a atacar, principalmente a Samsung, que lançou aparelhos bizarros e nada práticos. Foi um desastre para a Sul-Coreana. Na primeira semana, foram vendidos mais de 1 milhão de iPhones 3G. Um recorde. 

Imagem

”A sua vida no seu bolso. O dispositivo digital definitivo.”

Em 2009, a Apple tratou de aprimorar algumas coisas no iPhone 3GS. Nova câmera, possibilidade de se gravar vídeos, bússola integrada e processador mais rápido. O iPhone 3GS vendeu mais de um milhão de unidades em seu primeiro fim de semana. Já em 2010, veio o iPhone 4, que a mídia conheceu bem antes do lançamento oficial, graças ao vazamento de um protótipo do aparelho e que foi vendido para o site Gizmodo. O design havia mudado radicalmente. Um corpo fino, de aço e vidro. Trouxe pela primeira vez uma câmera frontal, que permitia a realização de vídeochamadas. Mais de 1,7 milhões de unidades foram vendidas nos primeiros três dias. Em 2011, um dia antes da morte de Steve Jobs, foi lançado o iPhone 4S, mais uma vez com processador e câmera aprimorados e com uma novidade: a assistente pessoal Siri, que poderia comandar diversas funções do aparelho usando apenas a voz. As vendas explodiram: mais de 4 milhões de consumidores haviam comprado o aparelho nos três primeiros dias de venda. Em 2012, a Apple lançou o iPhone 5, que trazia uma tela de 4 polegadas, uma quebra de paardigma da empresa, que sempre lançava iPhones com tela de 3,5 polegadas. Parte dessa mudança dava-se por causa da concorrência, que lançava aparelhos com telas cada vez maiores (Samsung?). Vendeu mais de 5 milhões de unidades no primeiro fim de semana. E chegamos aos modelos atuais, o iPhone 5s e iPhone 5c. O primeiro traz o mesmo corpo e design do iPhone 5, mas com a adição de um processador de 64-bits, uma câmera aprimorada e o TouchID, sensor de biometria localizado no botão home. Já o iPhone 5c nada mais é que um iPhone 5 em corpo de plástico, disponível em 5 cores. A Apple bateu seu próprio recorde de vendas. Mais de 9 milhões de aparelhos foram vendidos nos primeiros três dias. 

E o que o futuro reserva para o iPhone? Acho que a Apple lançará aparelhos com telas maiores, tendência que vem crescendo no mercado atualmente. Parabéns iPhone e longa vida ao aparelho que mudou os celulares para sempre, já dizia a revista TIME, em 2007. Gostando ou não do iPhone e do iOS, é preciso reconhecer a inovação da empresa da maçã mordida.

 

Confira o vídeo onde Steve Jobs anuncia o iPhone ao mundo:

Motorola Moto G: primeiras impressões

 

Imagem

 Bem, antes de tudo, bom início de ano para todos! 

  Comprei recentemente um Motorola Moto G, smartphone para as ”massas”, desenvolvido em parceria com a agora dona Google. O Moto G vem se destacando pelo seu ótimo desempenho e configurações, em um preço mais ”confortável” aos bolsos brasileiros. Custa a partir de R$649. A versão que comprei foi a Colors Edition, com três capas coloridas e 16GB de armazenamento interno. 

  O aparelho tem me impressionado muito. Ele é muito bem construído, sem partes móveis ou soltas. A tela é de babar. São 720 x 1280 pixels, distribuídos em uma generosa tela de 4,5 polegadas. O processador é um Qualcomm Snapdragon 400, com CPU Quad-core de 1.2 GHz Cortex-A7. Na prática, ele se sai muito bem ao rodar e transitar por apps e marcou ótimos framerates em jogos como Subway Surfer e Dead Trigger. A versão do Android é a 4.3 Jelly Bean, mas a Motorola já prometeu atualizar o Moto G para o 4.4 Kit Kat ainda em janeiro. Acabei aproveitando e fazendo uns vídeos sobre o aparelho. O primeiro deles é um unboxing(tirando da caixa) e o outro é um teste do Google Now. Confira os vídeos abaixo.

Ainda tô usando e me acostumando com o Motorola Moto G. Em breve farei uma análise completa para o blog. Mas posso adiantar uma coisa: não há quem se arrependa ao comprar esse aparelho. 

FICHA TÉCNICA:

Motorola Moto G: Tela de 4,5 polegadas HD(720 x 1280 pixels), câmera traseira de 5 megapixels com Flash, fontal de 1,3 megapixel, 8 ou 16GB de armazenamento, 1GB de RAM, Rádio FM, Android 4.3 Jelly Bean.

Preços: R$649 ( 1 chip/8GB de memória), R$699 (2 chips/8GB de memória), R$799 (2 chips/16GB/ Com três capas coloridas (vermelho, verde-limão e branco) e R$999 (2 chips/16GB/Fone de ouvido sem fio da Sol Republic).

Unboxing: 

 

Teste do Google Now:

 

Foto: Divulgação Motorola